11 dicas de viagem para veganos – Criando roteiros criativos

Compartilhar isso
Antes de chegar a um destino, há um caminho a percorrer. Todo mundo precisa planejar bem a sua viagem, até mesmo os mochileiros. O planejamento é uma fase muito gostosa, que nos faz sonhar cada vez mais em conhecer e viver tudo aquilo que vemos em nossas pesquisas, e descobrir mais do que esperávamos.
Quando falamos de pessoas que fazem escolhas veganas, a viagem se torna ainda mais criteriosa, não podendo aceitar tudo de olhos fechados. E isso é um ponto legal, pois dificilmente aceitamos pacotes fechados, onde somos levados para onde todos vão, sem nem pensar direito se tinha algo além de estar em um restaurante caro, cheio e barulhento, ou em uma fila de mais de 1 hora para tirar foto com um animal confinado. É libertador e compensa.

Veja então algumas dicas do que fazemos para planejar nossas viagens sem explorar animais:

Planejando a viagem

1. Pesquise a culinária local e selecione o melhor da riqueza vegetal que você não pode deixar de experimentar, como as frutas regionais. Além das releituras veganas de pratos típicos que alguns lugares costumam oferecer.
.
2. Pesquise na internet quais os restaurantes veganos da cidade, e anote. Sempre checamos no site Happy Cow.  É só inserir a cidade que deseja buscar restaurantes veganos e ele mostra uma lista com endereço, descrição e review de quem foi lá.
.
3. Procure se já existem relatos de viagem na cidade feito por blogueiros veganos para ter mais impressões do local sob o ponto de vista de outros veganos, além de ver descobertas veganas “não oficiais” que a pessoa possa ter encontrado.
.
4. Marque no mapa turístico da cidade onde está o seu hotel e onde estão os restaurantes que você selecionou. Assim você terá uma melhor noção espacial para criar um itinerário de onde comer de acordo com os passeios.
.
5. Peça dicas em grupos e páginas de vegetarianos e veganos locais nas redes sociais. Geralmente são escritas como “Veganos Cariocas”, “Veganos do Rio de Janeiro” ou “Veganos RJ”, por exemplo. Também pesquise grupos de ativismo de direitos animais da cidade e entre em contato. Com sorte, pode até estar ocorrendo eventos e atividades especiais nos dias da sua visita e eles te informam tudo. Sem contar que já conhece pessoas da cidade!
.
6. Se você for fazer um voo internacional, há linhas aéreas que oferecem opções veganas nas refeições especiais. Mas esse serviço precisa ser solicitado com antecedência. Veja aqui.
.
7. Entre em contato por e-mail com os locais mais indicados, mas que não tem opções declaradas, para saber se eles possuem opções veganas. Esse contato por escrito e com antecedência, dá mais espaço para que eles se informem melhor sobre a solicitação, perceba a demanda e até elaborem e incluam no cardápio pratos novos que sejam veganos.
.
8. Avise no hotel que você é vegano. Há hotéis que se preocupam com isso para a oferta do café da manhã. Ou procure por hotéis veganos.

Durante a viagem

9. Leve uma reserva de lanchinhos rápidos durante as andanças e nas esperas do aeroporto ou rodoviária. Barras de cereais, castanhas, granola, bananada, paçoca e amendoins são grandes fontes de energia e ocupam pouco espaço. Além de frutas como maça e pera.
.
10. Pode ser um pouco frustrante às vezes não encontrar restaurante específico com pratos elaborados sem nada de origem animal. Mas quando isso acontecer, um restaurante com buffet tem opções simples que podem gerar um prato completo com grãos, legumes, massas de sêmola e uma rica salada. Também procure pelos restaurantes indianos e árabes. É muito comum que nesses restaurantes haja pratos 100% vegetais tradicionais da própria culinária.
.
11. E como o veganismo não se restringe a parte de dieta, estude bem os pacotes, pontos turísticos e atividades antes, para não cair em alguma desagradável usando animais. Há lugares, principalmente no campo, que vendem a imagem de ecológicos e ambientais, mas usam animais como atração turística, mantendo eles confinados e domesticados, isolados do ecossistema para expor, montar, passar na mão de turistas e tirar fotos. As fotos não transmitem o contato com a natureza, mas um ser com sua natureza roubada. Santuários e reservas ambientais que realmente existem para proteção animal, não os expõem a visitação e manuseio. Se você ama animais, respeite seu habitat, espaço e limites, com o mínimo de interferência. A beleza de um animal está em sua liberdade.

Boa viagem! E nos conte suas descobertas!

“Da natureza nada se tira, a não ser fotos. Nada se deixa, a não ser pegadas. Nada se mata, a não ser o tempo. Nada se leva, a não ser recordações.”

1 Comentários

  1. Ilzamar de Jesus ferreira

    07/10/2018 at 10:23 pm

    Nossa, eu amei essa matéria.
    Muito boa mesmo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *